quarta-feira, 8 de maio de 2013

Corinthianidade..

Sou Corinthiano. Apaixonado.
Mas calma, que este texto não pretende te transformar num(a)..
Nem me colocar como mais ou menos apaixonado que você.. Corinthiano(a) ou não..
Apenas versar a respeito de algumas movimentações, pessoais e coletivas, motivadas e proporcionadas por essa paixão.
Sempre gostei, e continuo de uma boa e saudável discussão a respeito de futebol..
Principalmente as fervorosas.. Mas sem desrespeito..
Talvez por enxergar na outra pessoa essa mesma paixão, apesar de que com outras cores..
Felizmente fui educado com valores que considero essenciais, apesar, de na prática, presenciar distorções, esquecimentos ou mesmo ignorância a respeito.. Essencialmente, o respeito..
Tá bom, confesso.. Desrespeito muitas mães e pessoas ao acompanhar meus jogos..
Mas nada pessoal.. apenas desabafos da minha própria incapacidade de, ativamente, alterar algo que julgue de insatisfatório (injusto) com meu amor..

Como disse, não nasci assim, fui educado..
'festa, mas olhar desinteressado'

Sim, um destes acima sou eu, nascido que fui em berço tricolor..
Como este registro, orgulho de meu avô, demonstra..

Na minha leitura, (interessada, óbvio) demonstra é minha incompatibilidade, incompreensão, falta de tesão, por aquele sentimento que me tentaram (fazer) incorporar..
Meu outro avô era Corinthiano.. mas apesar da admiração a ele, não foi o cupido..
Na minha visão, o grande culpado seria o Netão, primo de meu pai e tio por opção..
Responsável por um dos bares do Estádio Municipal de Sorocaba, CIC, passava em casa nos finais de semana para pegar eu e meus irmãos, e nos levar para acompanhá-lo..

Atendendo à antiga 'turma do amendoim', dava muitas risadas com suas 'intervenções'..

Falta-me pesquisa sobre o ano exato disso.. sei que era algo em torno de 88 a 91..
Mas me resta lembranças do Azulão na elite paulista.. como do Brasileirão de 90..
Em que já vibrava com as cores de hoje, preto e branco..
E ironicamente a final seria entre o que não me encantava e o que me seduzia..


'olhar interessado, em festa'
Daí começam outras lembranças, tão significativas quanto, além de mais vivas..

Nem precisaria lembrar que os anos seguintes foram de testamentos, né..
Enquanto minha (majestosa) casa explodia de felicidade com suas conquistas..
Torcia contra, sim, e muito.. Mas conseguia, depois de vencido, ficar feliz..
Não pela conquista, mas pela felicidade alheia.. 

Era 1993, e enfim ia pela primeira vez num estádio ver o Corinthians..
Um amigo de meu pai, sabedor da oposição que fazia em casa, resolveu ajudar..
Não podia ser diferente.. contra a paixão de minha casa, na nossa casa, o Paca..
E como a Corinthianidade deve sempre ser testada, foi daquele jeito..
Goleiro expulso e atacante tentando fazer milagres em seu próprio gol..
Partida perdida, mas a sensação de que aquilo me agradava mesmo..
Em 1995, então, fim de meu primeiro período de desafios.. pela opção de reptar, amar..
Vêm os títulos, reconhecimentos e toda essas concretizações que esperamos ao torcer..

E com a idade, especialmente de 98 a 2000, vêm também as movimentações atrás dessa paixão..
Ir de Sorocaba a São Paulo tornou-se rotina.. mas pude também conhecer outros palcos conhecidos..
Como o (agora antigos) Maracanã e o Mineirão.. ambos por torneios internacionais..

Realmente, muita novidade para mim até então..
Especialmente, a comoção de multidões apaixonadas..
Tanto para seus deslocamentos espaciais..
Como os deslocamentos de suas personagens sociais..
Para, naqueles momentos, serem, 'apenas', Corinthianos e Corinthianas..

Mais tarde moraria em São Paulo.. aí os estádios se tornaram meus quintais..



'DALE, a torcida'

Em 2005, durante um período em Pernambuco, acompanhei o novo título, velho contestado..
E longe de tanta rivalidade, perceber quanta alegria um esporte poderia propiciar, além de mim..

Já em 2007, quanto sofrimento ele também poderia trazer.. mas acima disso, quanto orgulho..
E até por isso, no ano seguinte, acampei novamente em meus quintais..

Em 2009, então, nova provação.. me mudo para a Serra Gaúcha..
e, por óbvio, seria, e continuo sendo, questionado por contestações que fogem minha alçada..
E digo, até consegui comover algumas pessoas próximas, gaúchas ou não, em 2012..
Assistindo a final continental.. Inicialmente, em sua maioria, torcendo contra..
Mas como eu, que me alegrava ao ver a felicidade alheia, ao final, parabenizavam..

Porém, como já disse, adoro uma discussão saudável e fervorosa.. e assim tem sido..

Pois não sou alienado para com a podridão que assola, predominantemente, o futebol..
Não gosto, repudio.. e o que estiver ao meu alcance para contestar e mudar, farei..
Seja nas instituições ou nas pessoas que as representam, dirigindo ou torcendo..

Assim como não deixo me alienar de outros assuntos por conta do esporte..
E tenho opinião formada a muitos assuntos que, 'dizem', não nos interessar..
Mas não nos venham tirar o direito de comemorar, sorrir ou chorar, pelas nossas paixões..
'Eu, recém-nascido. Ele, ídolo. Sempre' (Foto: Irmo Celso)

Muito escrevi, e mais ainda deixei sem contar..
Qualquer dia aprofundo alguns desses momentos..
De preferência com o auxílio das pessoas envolvidas..

Mas escrevi demais para chegar a algumas rápidas observações..
Minha Corinthianidade aflorou e continua estimulada pelo movimento..
Primeiramente, pela percepção de que não precisaria ficar 'estagnado' a algo, se aquilo não me representasse, encantasse.. podia me movimentar..

Segundo, pelos momentos de trocas, in loco ou bem longe dele, que as disputas propiciam..

Terceiro, não para sustentar que o futebol não seja um ópio..
Mas que se seus usuários tiverem educação, poderá não ser prejudicial..
Ao contrário, pode-lhes proporcionar belíssimos momentos de movimentos..
Dito tudo isso, vamos discutir?!

10 comentários:

  1. Boa Pattão! Faz muita falta sua companhia nos jogos, em especial no Paca. Vc e sua confiança na vitória por placares bizarros (5x3 de virada, depois de sair perdendo de 0x3, etc), suas informações desconexas obtidas no radinho, e toda a alegria e bagunça deixaram saudades. Belo texto e parabéns por "vencer" a pressão familiar e seguir seu coração alvi-negro.

    ResponderExcluir
  2. DALE Galva!! Valeu pela contribuição..
    A participação da DALE é sempre histórica.. onde e como for..
    Grande Abraço!!!

    ResponderExcluir
  3. Como diria o grande mestre Toquinho (o compositor e cantor) ser Corinthiano é ir muito além de ser ou não ser o primeiro. Ser Corinthiano é ser um pouco mais brasileiro, ou seja, um eterno otimista apesar de tudo e de todos serem contra. Talvez seja isso que nos faz mais unidos e nos faz diferentes dos demais torcedores que só se declaram por seus times nos momentos de alegria e de títulos. Nós nem ligamos para isso, para o Corinthiano verdadeiro o que importa é ir ao Pacaembu (Paca, como você diz) e encontrar os irmãos de sangue que tem a mesma paixão e a mesma emoção que a gente.
    Parabéns pelo texto, muito emotivo e centrado no espírito que nos une e nos fortalece. (Família, paixão e amor). Sucesso!! Forte abraço e VAI CORINTHIANS!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dale Prof.!! Havia de ser nosso cantor, para lembrar de Toquinho, né.. rsrs..
      Obrigado pelas palavras e contribuição.. Seja sempre bem-vindo..
      Abração.. e VAI CORINTHIANS!!

      Excluir
  4. Belo texto Pattão! , saudades das " discussões " na sua casa hahaha abraços!!
    Vai Corinthians!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dale Kaio!! Altas 'discussões'.. rsrs.. Valeu pela visita..
      DALE O TODO!! SEMPRE!!

      Excluir
  5. Respostas
    1. Olá, Fabio!! Obrigado pelo retorno.. qualquer sugestão, crítica ou opinião, é muitíssimo bem vinda.. seja sobre o conteúdo publicado ou algum publicável.. Abraço!!

      Excluir
  6. FALÊNCIA DA GALINHADA

    Em 1915 o Corinthians FALIU, o que ocasionou inclusive o embargo da sede do clube, o proprietário do local, trancou as portas com todos os bens do Corinthians dentro e o clube era ameaçado por cobradores de penhor e fechou as portas. Neste ano Neco estava emprestado para o Mackenzie, mas jamais deixou o Corinthians de lado, o jogador e torcedor apaixonado comandou um “assalto” ao patrimônio do clube e na calada da noite guardou todos os bens do Corinthians em local seguro e longe dos cobradores. Fatos como esse o tornaram ídolo corinthiano.
    Henrique Souza:
    Bom dia gambás... Passando aqui para lembra-los dos melhores
    momentos do seu Small Club...

    1 - Rui Rei em 77 - Paulistinha roubado saindo da fila de 23
    anos (paulista tira da fila? nova essa).

    2 - Semi contra a Portuguesa em 98 com o Castrilli, operou a
    Lusa na cara dura.

    3 - Mundialito de praia, esse é de dar dó.

    4 - Brasiliense operado pelo Simon em 2002, uma vergonha.

    5 - Cianorte comprado com mala preta, ganhou o primeiro jogo de
    3x0 dos gambás em 2005 e na volta o goleiro "tomou" 3 frangos na cara
    de pau...

    6 - Esveitão 2005, o campeonato mais roubado do mundo, esse é
    uma das maiores vergonhas do futebol nacional.

    7 - Tivemos o Brasileiro 100tenada, comprou mas não levou...
    ganhou uns 10 jogos no apito e mesmo assim perdeu, uma vergonha.

    8 - Vai
    Tolimaaaaaaa.......kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    TIMINHO REGIONAL, VERGONHA NACIONAL, DESCONHECIDO MUNDIAL, PIADA
    UNIVERSAL

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelo retorno, Galinha..
      Bom saber que apesar de tudo isso, você se ocupa nos divulgando..
      Não somente, fazendo um perfil a respeito, como tomando seu tempo para interpretar nossa história, a seu modo..
      Muito obrigado mesmo.. pessoas como você, só nos fazem maior..
      Grande Abraço alvi-negro!!

      Excluir